ALIMENTAÇÃO: O que pode ser cilada



Informar-se é a primeira atitude na hora de buscar uma alimentação mais adequada para ter saúde e emagrecer. Cair no conto dos produtos que prometem não engordar pode prejudicar a saúde.

Light, sem gordura, diet, sem adição de açúcar, menos sódio, leve, fit, zero… As referências a alimentos que podem ajudar a emagrecer e prometem contribuir com uma vida mais saudável são muitas. O passa e repassa de “informações desinformadas” sobre dietas também. Quem nunca comeu uma barra de cereal com a consciência tranquila de que teria energia “sem engordar”? Ou uma fatia de peito de peru em um prato rotulado como “fit”? Uma sopa de saquinho também é “a cara da magreza”.  Na verdade, o que a maioria das pessoas que optam por dietas sem instrução nutricional está fazendo é mal ao próprio corpo. E, muitas vezes, nem emagrecer conseguem. O mundo da produção de alimentação é cheio de caminhos obscuros, difíceis de entender e com fórmulas publicitárias que enchem os olhos e a vida de uma condição de saúde que pode não considerar o que realmente o corpo necessita.

Nesse contexto, imperam a falta de tempo para voltar-se ao natural e a busca por produtos industrializados que prometem. E só prometem. De acordo com a nutricionista Manuela, não existem alimentos vilões das dietas, mas há inimigos que podem até ajudar na redução de peso, mas trazem compostos químicos que põem a saúde em risco. “É claro que, gorduras saturadas, gorduras trans e açúcares livres (que são os refinados), qualquer pessoa tem de consumir o mínimo possível”, cita.  No equilíbrio entre o mais e o menos na hora do consumo estão, principalmente, os carboidratos, as gorduras, o açúcar, o sódio e a farinha.  O objetivo das dietas é quase sempre o mesmo: perder peso. E para isso, a estratégia sempre foi cortar o máximo possível de calorias, que é a energia gerada pelo corpo. Se eu oferecer menos calorias do que meu corpo precisa, ele vai retirá-la dele próprio, da gordura ou do músculo — por isso emagrecemos. “O problema é essa diminuição da massa muscular, que é prejudicial e faz com que o metabolismo (que é o modo como o organismo transforma as calorias em energia) seja menor futuramente”, comenta a nutricionista. Assim, para se se emagrecer, mas sem perder a saúde, o primeiro passo é ligar o sinal de alerta para alimentos e produtos que estão na lista de qualquer dieta passada pelo vizinho, tirada da Internet ou apenas contextualizada na nossa mente.

O DESAFIO DE ENTENDER RÓTULOS

A legislação brasileira ainda deixa a desejar quanto às descrições de um rótulo que seja compreensível ao consumidor. A falta de informação sobre o que comemos é muito maior do que se imagina. Seguir dietas alheias, comer um produto pela “cara” dele e não pelo valor nutricional, achar que um alimento é “do bem”, quando, na verdade, está na lista de inimigos da saúde — e, muitas vezes, do emagrecimento. Tudo isso pode ser somado à falta de detalhes nos rótulos que descrevem a composição de cada alimento industrializado. Porque é a partir dessas informações que se pode — pelo menos um pouco — saber se os produtos têm gorduras, açúcares, farinhas. E, muito importante: o rótulo pode desmentir muitas letras coloridas com “menos”, “pouco”, “light”, “rico”… “A gente entende que as normas atuais de rotulagem e as informações adicionais não são claras e o consumidor não consegue entender. Há uma cobrança junto à Anvisa para que seja publicada uma nova lei com mais informações”, comenta a nutricionista do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec). Conforme ela, observando o rótulo, o consumidor pode comparar os produtos quanto à quantidade de sódio, açúcar e gordura.  Para a nutricionista, os produtos industrializados ultraprocessados não fazem parte de uma alimentação saudável. E é exatamente por isso que comparar as informações adicionais é tão importante. Um dos hiatos do controle da composição dos produtos, que incide diretamente nas dietas, é o uso do termo integral. Não há, por exemplo, nenhuma lei que regulamente a quantidade ideal de farinha integral e fibras nos produtos. “Se não tiver farinha integral como primeiro ou segundo ingrediente, quer dizer que não é integral. Muitos usam farelo”. Quanto aos termos que podem indicar que alguns alimentos são aliados na hora de emagrecer, a nutricionista destaca que há empresas que usam expressões que substituem o cumprimento de uma regulamentação da Anvisa: “’Pense leve’, ‘levíssimo’, ‘vida mais saudável’ ou outras alegações que não são regulamentadas. São estratégias de marketing. Pode ter menos açúcar, mas tem tanta caloria quanto o que ele está sendo comparado”. De acordo com a nutricionista, no caso dos produtos lights e diets, por exemplo, a empresa fabricante precisa especificar que o produto é light em relação a quê, especificamente. “Se a empresa tiver um produto similar, que não é light, compara em relação a ele. Se não tem, precisa fazer uma média de mercado e fazer a comparação”, informa.

QUALIDADE DE VIDA COM INFORMAÇÃO E LEVANDO MARMITA

Foi com a ajuda da nutricionista que uma estudante de Direito, descobriu que não conseguiria sair de casa sem planejar o que comeria ao longo do dia. “Eu comia pouco pela manhã e, à noite, compensava tudo. Matava minha fome com biscoitos integrais, que depois descobri que, de integrais, não tinham nada”, lembra. Os shakes emagrecedores também fizeram parte da dieta de Yasmim.  Até que a visita à nutricionista a fez ver que, para emagrecer, precisaria comer a cada três horas e beber muita água. Isso também a preparou para uma escolha de vida: o vegetarianismo. “Fui virando vegetariana aos poucos, com a ajuda da profissional, que indicava como fazer as trocas das proteínas animais pelas vegetais. Hoje, eu ainda como ovo e peixe”, conta.  ela garante que não deixa de ir a uma festa ou a um restaurante, destacando a importância de ter informação na hora de escolher o que comer. “Se eu não tiver a minha marmita, já sei fazer as escolhas certas, reconhecer o que seria mais saudável em cada lugar”, garante.

ALIMENTAÇÃO CUIDADOS NO PREPARO

As gorduras aceleram a salivação e influenciam no sabor dos alimentos. É recomendado o cuidado na escolha e no preparo dos alimentos.

As gorduras também são importantes e precisam ser pensadas na hora da elaboração dos pratos. o chef de cozinha e professor do curso de Gastronomia da Universidade Federal do Ceará (UFC), afirma que a gordura é uma das responsáveis por dar sabor à comida. “Além do sabor, ela facilita e acelera a salivação, a velocidade com que a saliva se distribui na boca. Quanto mais gordura, mais palatável e mais saboroso é o alimento. O que precisa é ter um limite para cada preparo e cuidado na escolha”, conta.  E é fato que quase ninguém resiste ao sabor de uma boa fritura. No entanto, além de consumo moderado, é importante que sejam tomados alguns cuidados. A nutricionista afirma que o óleo ideal para fritura ou exposição em temperaturas elevadas é a gordura saturada. “Como o óleo de coco de preferência, depois as outras fontes de saturada como a manteiga e banha de porco, pois são estáveis”, diz. No entanto, ela alerta que deve-se evitar o excesso de frituras e optar sempre que possível pelos grelhados e cozidos.  Ele explica que as frituras devem ser bem preparadas. “A fritura bem feita absorve bem menos óleo que alguns outros preparos de forno, por exemplo”. Ele cita como exemplo o croissant. Normalmente, segundo ele, uma fritura por imersão, feita de modo adequado, chega a absorver cerca de 10% de gordura; já o croissant, mesmo feito no forno, pode absorver até 40% de gordura.

Emissão de fumaça seja qual for o tipo de óleo a ser utilizado, para a boa fritura, “ele tem de estar na temperatura correta, a fritura deve ser rápida e deve haver constante troca da gordura”, explica. De acordo com o chef, devem ser observados os chamados pontos de fumaça de cada tipo de óleo.  A temperatura em que se inicia a emissão de fumaça transforma as propriedades de saturação das gorduras, tornando-as prejudiciais. “A manteiga, por exemplo, chega à faixa de 120 graus, é uma das mais saborosas, mas precisa ser trabalhada com zelo devido à baixa temperatura; os óleos de um modo geral variam entre 200 e 220 graus”, conta.  Outras coisas que devem ser observadas são a cor e o cheiro do óleo. A busca cotidiana é por uso de gorduras e métodos saudáveis. “A gente procura produzir a própria gordura do modo mais natural e saudável possível. “São escolhas que vou fazendo pensando num produto mais saudável, pensando no marketing e pensando no sabor”, conclui.

SUBSTITUIÇÕES QUE FAZEM A DIFERENÇA

Desde que iniciou mudanças na alimentação, Polyana, 49, sempre buscou se informar sobre a melhor maneira de utilizar as gorduras na alimentação. “Eu fiz uma mudança drástica lá em casa e todo mundo acaba acompanhando”, conta. Ela revela que as escolhas não foram fáceis, mas as mudanças efetivas.  O início foi a troca do óleo pelo azeite para alguns tipos de cozimento. Aos poucos, se informando com grupos de amigas e acompanhamento nutricional, ela iniciou o uso do óleo de coco para temperaturas mais altas e manteiga clarificada em outros tipos de preparo. “O óleo de coco é maravilhoso. Sempre que vou preparar um peixe, por exemplo, eu uso. Ele deixa um sabor residual e até dá um toque no alimento”, afirma. Além disso, trocou a margarina pela manteiga. De acordo com o nutrólogo, de fato a manteiga pode ser melhor opção do que a margarina. “A manteiga é composta por gordura saturada e a margarina é composta por gordura vegetal (óleo) hidrogenada. O consumo de manteiga pode acontecer de forma moderada, inclusive para cozinhar alimentos. No caso da margarina, é necessário avaliar que tipo de óleo foi usado, se contém ou não gorduras trans e nunca deve ser usada para cozinhar alimentos”, alerta.  Em relação ao azeite, ele afirma que estudos recentes também demonstram boa resistência do tipo de óleo a altas temperaturas.  As frituras também deixaram de ser rotina para ela. Agora, ela só come alimentos cozidos, assados no forno, grelhados ou salteados. “Se preciso comer uma carne mais gordurosa, utilizo a gordura da própria carne para o preparo“, explica. Para ela, as mudanças trouxeram melhor disposição, funcionamento no intestino e no organismo. “Não é só readaptação em relação à gordura, foi a alimentação como um todo. A redução do consumo de sódio, a preferência por produtos naturais. Tudo isso, de forma integrada, faz a diferença”.

__________________________________________________________________________________________

Fonte: http://www20.opovo.com.br/app/opovo/cienciaesaude/2016/09/03/noticiasjornalcienciaesaude,3655541/o-que-pode-ser-cilada.shtml


Veja Também:


  • A CÉLULA QUE EXIBE A GENÉTICA

    Na fertilização in vitro, é possível realizar, com apenas uma célula, exames genéticos e evitar possíveis doenças hereditárias. Escolha de sexo para o bebê,...

    Leia Mais ( + )
  • A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E A GERAÇÃO ALPHA

    A inteligência artificial e a Geração Alpha Meninas e meninos de até sete anos de idade vivenciarão o contato com tecnologias de inteligência artificial...

    Leia Mais ( + )
  • A PRÁTICA DO HOME CARE

    O Home Care deve ser compreendido como uma modalidade contínua de serviços na área de saúde, cujas atividades são dedicadas aos pacientes/clientes e a...

    Leia Mais ( + )
  • A ENFERMAGEM E A PRESERVAÇÃO DA VIDA HUMANA

    Precisamos priorizar o ensino e a pesquisa próprios da enfermagem, sem perder o olhar holístico para o indivíduo. A história da enfermagem confunde-se com a...

    Leia Mais ( + )
  • SAÚDE BUCAL: O que a sua boca tem a dizer sobre sua saúde

    Mesmo o melhor sorriso é capaz de ocultar sinais que, sem o devido acompanhamento, podem trazer sérios problemas para o corpo. O corpo humano...

    Leia Mais ( + )
  • CUIDADOS COM OS MÚSCULOS: Cuidar dos músculos ajuda a prevenir lesões e ganhar resistência

    MENOS LESÕES, MAIS RESISTÊNCIA. A musculação é um dos exercícios mais eficazes para o fortalecimento muscular. Cuidar dos músculos é mais do que uma...

    Leia Mais ( + )
  • DORMIR DE REDE: HÁBITO ANCESTRAL QUE NÃO PREJUDICA A COLUNA

    Anterior à colonização europeia, o hábito de dormir de rede não representa riscos à coluna, apesar do receio difundido popularmente. Comum nas casas do...

    Leia Mais ( + )
  • CONFIRA CINCO DICAS PARA PREVENIR A RINITE ALÉRGICA

    A doença é causada pela falta de cuidado nas residências e também pela variação de temperaturas. Com a variação de temperaturas no dia a...

    Leia Mais ( + )
  • CHIKUNGUNYA: A DOENÇA QUE FICA E INCAPACITA

    Na fase crônica da doença, depois de três meses de sintomas, o vírus da chikungunya escolhe “santuários” nas articulações e causa inflamações que vêm...

    Leia Mais ( + )
  • POR DENTRO DO GLAUCOMA

    O glaucoma é uma doença degenerativa do nervo óptico, progressiva e silenciosa que cursa com diminuição do campo de visão até a cegueira em...

    Leia Mais ( + )
  • MIOPIA, MITOS, VERDADES E INFLUÊNCIA DOS CELULARES

    Um estudo populacional, realizado com crianças da Austrália, comprovou que aquelas que passavam muito tempo em celulares e tablets tinham maior chance de ter...

    Leia Mais ( + )
  • DORMIR 8h? EVITAR CERTOS ALIMENTOS? CONHEÇA MITOS SOBRE SONO

    Não é verdade que para ter uma boa noite de sono é preciso dormir por oito horas ou que comer queijo antes de dormir...

    Leia Mais ( + )
  • A INFÂNCIA DIANTE DA TV

    Com o início das férias, pais devem estar atentos à exposição excessiva dos filhos diante da TV. Agora que ela está conectada à internet,...

    Leia Mais ( + )
  • COMO PREVENIR DOENÇAS RECORRENTES EM ÉPOCA DE CHUVA

    As chuvas aliviam o calor dos dias, mas podem repercutir em doenças se as pessoas não ficarem atentas. Viroses, gripe, dengue e inflamações estão...

    Leia Mais ( + )
  • CUIDADOS SIMPLES EVITAM A CONJUNTIVITE

    1 Olho coçando, vermelho, irritado e a sensação de que você está com areia dentro dele. Cuidado: você pode ter contraído conjuntivite. Uma doença muito...

    Leia Mais ( + )
  • AS REAÇÕES DO CORPO AOS ELETRÔNICOS

    A maneira de olharmos o celular ou tablet, com a cabeça para baixo, já força um dos principais músculos do corpo. Despreparado, ele sofre...

    Leia Mais ( + )
  • ALIMENTAÇÃO É ALIADA NO TRATAMENTO DE CANDIDÍASE DE REPETIÇÃO

    Toda mulher em algum momento da vida será acometida de candidíase. Coceira, corrimento, ardor são alguns dos sintomas da doença, ainda mais freqüente nos...

    Leia Mais ( + )
  • OSTEOPOROSE: o que é e como tratar

    Doença ligada à falta de cálcio afeta principalmente os idosos. Muitas vezes, o mal só é descoberto após uma fratura óssea, mas há maneiras...

    Leia Mais ( + )
  • TUBERCULOSE: Cai índice de cura da tuberculose no Ceará

    O percentual de cura de pessoas diagnosticadas com tuberculose diminuiu ao longo de seis anos no Ceará. De 2011 a 2016, houve redução mínima...

    Leia Mais ( + )
  • DEZ CAUSAS DA INSÔNIA

    A dificuldade para dormir é muitas vezes um mistério para pacientes e médicos. Cientistas tentam desvendar o mais comum distúrbio do sono, associado a...

    Leia Mais ( + )
  • HÁBITOS PARA COMBATER A OBESIDADE

    A reeducação alimentar pode ser bastante eficaz no combate à obesidade que, de acordo com recentes dados do Ministério da Saúde, atinge mais da...

    Leia Mais ( + )
  • ALIMENTAÇÃO: Atenção às alergias

    Os bebês podem apresentar alergia à proteína do leite de vaca e também a alguns alimentos. Nesses casos, oferta é ainda mais cuidadosa. Não...

    Leia Mais ( + )
  • MULTIFUNÇÕES: Por que a vitamina D se tornou a substância da moda para a saúde

    A maior fonte da conhecida vitamina D é o sol. Diante das descobertas sobre as multifunções que ela exerce no organismo, a suplementação é...

    Leia Mais ( + )
  • O QUE FAZ BEM AO CORAÇÃO

    Principal causa de morte no mundo, as doenças cardíacas são silenciosas e, por isso mesmo, exigem cuidados. As doenças do coração são a principal...

    Leia Mais ( + )
  • O SUPER CÉREBRO DOS BEBÊS

    Os bebês têm um cérebro pronto para adquirir experiências e aprendizados que surpreendem. Herança genética e influência do meio definem o desenvolvimento cerebral. Qual...

    Leia Mais ( + )
  • OBESIDADE INFANTIL: O desafio de manter bons hábitos na escola

    Ensino, interação social, valores e também educação alimentar. O ambiente escolar pode e deve ser espaço para o cultivo de boas práticas alimentares, que...

    Leia Mais ( + )
  • COMO ESTIMULAR A MENTE

    Toda pessoa, criança ou adulta, pode criar estratégias para aprender, mas educadores ensinam maneiras de estimular a aprendizagem. Não há consenso entre os educadores...

    Leia Mais ( + )
  • A NOVA TERCEIRA IDADE: VELHO É O SEU PRECONCEITO

    Boa parte das pessoas com mais de 60 anos fogem, cada vez mais, da imagem de senhores apoiados em bengalas ou em cadeiras de...

    Leia Mais ( + )
  • TERAPIA COM ANIMAIS: O EXERCÍCIO DO AFETO E DO CUIDADO

      Idosas de uma casa de repouso participam da terapia assistida por cães. Melhoras na sociabilidade, na memória, na autoestima e na coordenação motora...

    Leia Mais ( + )
  • TERCEIRA IDADE CONHEÇA SEUS LIMITES

      O acompanhamento médico ajuda a identificar as restrições do idoso antes da escolha do exercício ideal. Vale buscar também outros profissionais, antes de...

    Leia Mais ( + )
  • PARTO NORMAL

    A redução das taxas de cesáreas foi discutida em Fortaleza durante congresso internacional. Tecnologia e conhecimento são caminhos apontados para evitar as cirurgias desnecessárias....

    Leia Mais ( + )
  • OS MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS

    As pílulas avançam com os anos e oferecem doses de hormônios menores para as mulheres. Para algumas, as pílulas continuam a ser parceiras para...

    Leia Mais ( + )
%d blogueiros gostam disto: