MULTIFUNÇÕES: Por que a vitamina D se tornou a substância da moda para a saúde



A maior fonte da conhecida vitamina D é o sol. Diante das descobertas sobre as multifunções que ela exerce no organismo, a suplementação é feita por meio de gotas. Especialistas divergem sobre indicações a pacientes.

A maioria das pessoas possui, na pele, um precursor da vitamina D. A substância adquire forma ativa quando em contato com raios ultravioletas. Por muito tempo, ela foi vista “apenas” como vitamina essencial aos ossos, por ser responsável pela absorção de cálcio no corpo. Mas, segundo especialistas, o fato de todas as células do organismo apresentarem receptores à vitamina D a faz comandar mais de 200 funções metabólicas e imunológicas. Essa “popularidade” orgânica é seu grande diferencial. “É uma substância ímpar. Essa é a molécula do século. Não creio que exista algo tão importante para a saúde humana do que essa substância. O que caracteriza uma tragédia para a saúde pública o fato de termos um grupo tão grande de pessoas com deficiência em vitamina D”, afirma o neurologista e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Cícero Coimbra. Referência nacional e na América Latina para tratamento de doenças autoimunes, ele usa superdosagens de vitamina D para ver os sintomas de seus pacientes regredirem. Apenas 10% de vitamina D podem ser encontrados em alimentos, o restante vem todo da exposição solar. Mas então pode-se supor: no Ceará, não é possível que haja carência dessa vitamina, afinal, temos sol e quentura quase o ano inteiro. Entretanto, estudos já mostram que estamos tomando cada vez menos sol, trabalhamos em ambientes fechados, usamos protetor solar e, com a idade, a pele vai perdendo a capacidade de transformar os raios em vitamina D. Por isso, a suplementação, por via oral, intravenosa ou muscular, tem se disseminado. Nesse contexto, o grande impasse entre especialistas é: devemos ter índice de vitamina D dentro do preconizado pelas taxas laboratoriais ou temos de apresentar taxas consideradas “ótimas”, acima da média da população? A verdade é que os benefícios dessa substância são comprovados há décadas e ganham novas perspectivas dentro da medicina preventiva. Contraindicações existentes, como o excesso de cálcio no sangue, são claramente defendidas por alguns médicos e tidas como inexistente por outros.

RECOMENDAÇÃO

Níveis de vitamina D precisam estar acima do patamar laboratorial

Especialistas destacam que é preciso ter níveis ótimos de vitamina D, acima das taxas de referência laboratoriais. Quem faz uso da suplementação confirma benefícios

Sabata, seguiu as orientações da médica e fez suplementação de vitamina D durante a gestação da filha, hoje com 11 meses. “Eu já tinha lido a respeito, sabia da importância. Todas as vezes que fazia exame, a taxa estava no limite, entre 30 e 33 ng/ml (nanograma por ml de sangue)”, conta. Essa é a taxa mínima estabelecida pelas referências laboratoriais. Mas, para que Sabata tivesse gravidez com mais disposição e saúde, essa referência precisaria ser de aproximadamente 80 ng/ml.

“Comecei um pouco antes da gravidez e sabia que ela (a bebê) iria sugar muito de mim, por isso resolvi me fortalecer. Não tive cansaço, nem sono e nunca mais fiquei doente”, lembra Sabata. O obstetra desconfiou e, o pai, médico, logo disse que uma taxa maior de vitamina D no sangue poderia causar cálculo renal. “Mas ambos, quando começaram a ver os benefícios, tiveram outra percepção. Meu pai, hoje, também suplementa”, destaca.

Para a filha, Sabata diz que os benefícios também chegam. A criança toma polivitamínicos que têm vitamina D e, diariamente, fica exposta ao sol por alguns minutos. “Pensei que, se na gravidez ela aproveita tudo de mim, se eu oferecesse coisa boa, ela também teria. A criança é super esperta, ágil e inteligente”, conta.

Para a especialista que acompanha Sabata, a médica ortomolecular, os níveis laboratoriais para as taxas de vitamina D no sangue não são considerados necessários para oferecer saúde. “Para isso, precisamos ter níveis ótimos de vitamina D, que seria superior à normalidade, entre 70 e 100 ng/ml. No laboratório, o suficiente é entre 33 e 100, então quem tem 31 ng/ml nunca está igual a 99 ng/ml em termos de saúde”, explica. Ela acrescenta que as referências laboratoriais consideram a maioria da população como padrão. “E nem sempre a maioria está saudável”, frisa.

Suplementação

De acordo com Maryna, existem fontes alimentares que fornecem vitamina D, como peixes e, em especial, o óleo de fígado de bacalhau. Porém, elas não conseguem oferecer a quantidade ideal. “Em relação ao sol, por causa do efeito estufa e o buraco da camada de ozônio, as radiações se tornam mais cancerígenas. A suplementação é uma forma mais segura”, afirma. Essa suplementação, na maioria das vezes, é feita de forma oral. Como se trata de vitamina que se dissolve em meio oleoso, a indicação é que seja ingerida após as refeições com comidas ricas em gorduras boas.

“E deve ser feita de forma individual, porque a sensibilidade e absorção são diferentes”, alerta Maryna. Quando manipulados, ela associa ainda com a vitamina A, considerada importante para sensibilizar os receptores da vitamina D no corpo, com o magnésio e com a vitamina K2-MK7. “Nosso solo é pobre em vitaminas e minerais, sem contar os agrotóxicos e pesticidas. Por isso essa questão de deficiência de vitaminas é tão comum na população, mesmo em quem se alimenta bem”.

Superdosagem de vitamina D combate doenças autoimunes

O médico neurologista explica que a vitamina D atua em doenças desde a dengue até a aids. Nas autoimunes, sua atuação é ainda mais específica, o que justifica a superdosagem

“A primeira coisa que você precisa saber é que vitamina D nunca foi uma vitamina. Em algum momento se disse que ela seria transformada em hormônio, mas, na realidade, não se consegue classificá-la em nenhum grupo”, destaca o neurologista Cícero Coimbra. De acordo com ele, classicamente, os alunos de Medicina aprendem que a substância conhecida como vitamina D passa por duas transformações químicas para atingir a forma final que provoca os efeitos biológicos.

A primeira acontece no fígado e a segunda no rim, órgão que devolve a substância para a circulação sanguínea na forma ativa. Por isso, de acordo com o médico, a vitamina D seria considerada hormônio. “No efeito hormonal clássico, a vitamina D age no intestino, aumentando a absorção de cálcio e age no rim, diminuindo a excreção de cálcio. O que as pessoas não sabem é que essas transformações acontecem também no sistema nervoso, nos órgãos de reprodução, no sistema imunológico e na placenta”, detalha.

A maior fonte da conhecida vitamina D é o sol. Diante das descobertas sobre as multifunções que ela exerce no organismo, a suplementação é feita por meio de gotas. Especialistas divergem sobre indicações a pacientes.

Nunca o consumo de uma substância esteve tão em alta nos meios da saúde. Há quem atribua a ela a possibilidade de mudar a qualidade de vida mundial. Há também quem a considere apenas produto mercadológico. Fato é que a vitamina D — na verdade, quimicamente, ela nem é considerada vitamina — está no topo das discussões médicas. A substância é adquirida com a simples exposição ao sol. A suplementação pode ser indicada para quem quer mais disposição, para melhorar a imunidade, prevenir o câncer ou reduzir efeitos da esclerose múltipla. Entre outras patologias. A maioria das pessoas possui, na pele, um precursor da vitamina D. A substância adquire forma ativa quando em contato com raios ultravioletas. Por muito tempo, ela foi vista “apenas” como vitamina essencial aos ossos, por ser responsável pela absorção de cálcio no corpo. Mas, segundo especialistas, o fato de todas as células do organismo apresentarem receptores à vitamina D a faz comandar mais de 200 funções metabólicas e imunológicas. Essa “popularidade” orgânica é seu grande diferencial. “É uma substância ímpar. Essa é a molécula do século. Não creio que exista algo tão importante para a saúde humana do que essa substância. O que caracteriza uma tragédia para a saúde pública o fato de termos um grupo tão grande de pessoas com deficiência em vitamina D”, afirma o neurologista e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Referência nacional e na América Latina para tratamento de doenças autoimunes, ele usa superdosagens de vitamina D para ver os sintomas de seus pacientes regredirem. Apenas 10% de vitamina D podem ser encontrados em alimentos, o restante vem todo da exposição solar. Mas então pode-se supor: no Ceará, não é possível que haja carência dessa vitamina, afinal, temos sol e quentura quase o ano inteiro. Entretanto, estudos já mostram que estamos tomando cada vez menos sol, trabalhamos em ambientes fechados, usamos protetor solar e, com a idade, a pele vai perdendo a capacidade de transformar os raios em vitamina D. Por isso, a suplementação, por via oral, intravenosa ou muscular, tem se disseminado. Nesse contexto, o grande impasse entre especialistas é: devemos ter índice de vitamina D dentro do preconizado pelas taxas laboratoriais ou temos de apresentar taxas consideradas “ótimas”, acima da média da população? A verdade é que os benefícios dessa substância são comprovados há décadas e ganham novas perspectivas dentro da medicina preventiva. Contraindicações existentes, como o excesso de cálcio no sangue, são claramente defendidas por alguns médicos e tidas como inexistente por outros.

E nessa perspectiva, conforme o especialista, a vitamina D incide sobre diversas doenças, desde dengue a aids. Para confirmar a relação, Cícero aponta milhares de artigos acadêmicos internacionais. “A vitamina não é um imunosupressor, mas sim um imunoregulador. Quando você tem uma doença autoimunitária, o sistema imunológico executa um programa de atividades que ele não deveria, que é de agressão ao próprio organismo”, explica. Se esse “programa” agride a glândula tireóide, por exemplo, provoca a doença de Hashimoto; se agride as articulações provoca reumatóide; se agride os vasos sanguíneos causa o lúpus.

“A vitamina D suprime esse programa de agressão e, quando ativada no sistema imunológico, reage contra vírus e bactérias. Uma célula do sistema imunológico entra em contato com agente que pode produzir infecção. Mediante esse contato, a célula do sistema imunológico ativa a vitamina D, capta da circulação e a transforma na forma ativa. Essa forma ativa faz com que a própria célula que ativou produza as enzimas que atuam como antibiótico e antiviral para destruir os microorganismos”.

___________________________________________________________________________________________

Fonte: http://www20.opovo.com.br/app/opovo/cienciaesaude/2016/10/29/noticiasjornalcienciaesaude,3666465/por-que-a-vitamina-d-se-tornou-a-substancia-da-moda-para-a-saude.shtml


Veja Também:


  • A CÉLULA QUE EXIBE A GENÉTICA

    Na fertilização in vitro, é possível realizar, com apenas uma célula, exames genéticos e evitar possíveis doenças hereditárias. Escolha de sexo para o bebê,...

    Leia Mais ( + )
  • A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E A GERAÇÃO ALPHA

    A inteligência artificial e a Geração Alpha Meninas e meninos de até sete anos de idade vivenciarão o contato com tecnologias de inteligência artificial...

    Leia Mais ( + )
  • A PRÁTICA DO HOME CARE

    O Home Care deve ser compreendido como uma modalidade contínua de serviços na área de saúde, cujas atividades são dedicadas aos pacientes/clientes e a...

    Leia Mais ( + )
  • A ENFERMAGEM E A PRESERVAÇÃO DA VIDA HUMANA

    Precisamos priorizar o ensino e a pesquisa próprios da enfermagem, sem perder o olhar holístico para o indivíduo. A história da enfermagem confunde-se com a...

    Leia Mais ( + )
  • SAÚDE BUCAL: O que a sua boca tem a dizer sobre sua saúde

    Mesmo o melhor sorriso é capaz de ocultar sinais que, sem o devido acompanhamento, podem trazer sérios problemas para o corpo. O corpo humano...

    Leia Mais ( + )
  • CUIDADOS COM OS MÚSCULOS: Cuidar dos músculos ajuda a prevenir lesões e ganhar resistência

    MENOS LESÕES, MAIS RESISTÊNCIA. A musculação é um dos exercícios mais eficazes para o fortalecimento muscular. Cuidar dos músculos é mais do que uma...

    Leia Mais ( + )
  • ALIMENTAÇÃO: O que pode ser cilada

    Informar-se é a primeira atitude na hora de buscar uma alimentação mais adequada para ter saúde e emagrecer. Cair no conto dos produtos que...

    Leia Mais ( + )
  • DORMIR DE REDE: HÁBITO ANCESTRAL QUE NÃO PREJUDICA A COLUNA

    Anterior à colonização europeia, o hábito de dormir de rede não representa riscos à coluna, apesar do receio difundido popularmente. Comum nas casas do...

    Leia Mais ( + )
  • CONFIRA CINCO DICAS PARA PREVENIR A RINITE ALÉRGICA

    A doença é causada pela falta de cuidado nas residências e também pela variação de temperaturas. Com a variação de temperaturas no dia a...

    Leia Mais ( + )
  • CHIKUNGUNYA: A DOENÇA QUE FICA E INCAPACITA

    Na fase crônica da doença, depois de três meses de sintomas, o vírus da chikungunya escolhe “santuários” nas articulações e causa inflamações que vêm...

    Leia Mais ( + )
  • POR DENTRO DO GLAUCOMA

    O glaucoma é uma doença degenerativa do nervo óptico, progressiva e silenciosa que cursa com diminuição do campo de visão até a cegueira em...

    Leia Mais ( + )
  • MIOPIA, MITOS, VERDADES E INFLUÊNCIA DOS CELULARES

    Um estudo populacional, realizado com crianças da Austrália, comprovou que aquelas que passavam muito tempo em celulares e tablets tinham maior chance de ter...

    Leia Mais ( + )
  • DORMIR 8h? EVITAR CERTOS ALIMENTOS? CONHEÇA MITOS SOBRE SONO

    Não é verdade que para ter uma boa noite de sono é preciso dormir por oito horas ou que comer queijo antes de dormir...

    Leia Mais ( + )
  • A INFÂNCIA DIANTE DA TV

    Com o início das férias, pais devem estar atentos à exposição excessiva dos filhos diante da TV. Agora que ela está conectada à internet,...

    Leia Mais ( + )
  • COMO PREVENIR DOENÇAS RECORRENTES EM ÉPOCA DE CHUVA

    As chuvas aliviam o calor dos dias, mas podem repercutir em doenças se as pessoas não ficarem atentas. Viroses, gripe, dengue e inflamações estão...

    Leia Mais ( + )
  • CUIDADOS SIMPLES EVITAM A CONJUNTIVITE

    1 Olho coçando, vermelho, irritado e a sensação de que você está com areia dentro dele. Cuidado: você pode ter contraído conjuntivite. Uma doença muito...

    Leia Mais ( + )
  • AS REAÇÕES DO CORPO AOS ELETRÔNICOS

    A maneira de olharmos o celular ou tablet, com a cabeça para baixo, já força um dos principais músculos do corpo. Despreparado, ele sofre...

    Leia Mais ( + )
  • ALIMENTAÇÃO É ALIADA NO TRATAMENTO DE CANDIDÍASE DE REPETIÇÃO

    Toda mulher em algum momento da vida será acometida de candidíase. Coceira, corrimento, ardor são alguns dos sintomas da doença, ainda mais freqüente nos...

    Leia Mais ( + )
  • OSTEOPOROSE: o que é e como tratar

    Doença ligada à falta de cálcio afeta principalmente os idosos. Muitas vezes, o mal só é descoberto após uma fratura óssea, mas há maneiras...

    Leia Mais ( + )
  • TUBERCULOSE: Cai índice de cura da tuberculose no Ceará

    O percentual de cura de pessoas diagnosticadas com tuberculose diminuiu ao longo de seis anos no Ceará. De 2011 a 2016, houve redução mínima...

    Leia Mais ( + )
  • DEZ CAUSAS DA INSÔNIA

    A dificuldade para dormir é muitas vezes um mistério para pacientes e médicos. Cientistas tentam desvendar o mais comum distúrbio do sono, associado a...

    Leia Mais ( + )
  • HÁBITOS PARA COMBATER A OBESIDADE

    A reeducação alimentar pode ser bastante eficaz no combate à obesidade que, de acordo com recentes dados do Ministério da Saúde, atinge mais da...

    Leia Mais ( + )
  • ALIMENTAÇÃO: Atenção às alergias

    Os bebês podem apresentar alergia à proteína do leite de vaca e também a alguns alimentos. Nesses casos, oferta é ainda mais cuidadosa. Não...

    Leia Mais ( + )
  • O QUE FAZ BEM AO CORAÇÃO

    Principal causa de morte no mundo, as doenças cardíacas são silenciosas e, por isso mesmo, exigem cuidados. As doenças do coração são a principal...

    Leia Mais ( + )
  • O SUPER CÉREBRO DOS BEBÊS

    Os bebês têm um cérebro pronto para adquirir experiências e aprendizados que surpreendem. Herança genética e influência do meio definem o desenvolvimento cerebral. Qual...

    Leia Mais ( + )
  • OBESIDADE INFANTIL: O desafio de manter bons hábitos na escola

    Ensino, interação social, valores e também educação alimentar. O ambiente escolar pode e deve ser espaço para o cultivo de boas práticas alimentares, que...

    Leia Mais ( + )
  • COMO ESTIMULAR A MENTE

    Toda pessoa, criança ou adulta, pode criar estratégias para aprender, mas educadores ensinam maneiras de estimular a aprendizagem. Não há consenso entre os educadores...

    Leia Mais ( + )
  • A NOVA TERCEIRA IDADE: VELHO É O SEU PRECONCEITO

    Boa parte das pessoas com mais de 60 anos fogem, cada vez mais, da imagem de senhores apoiados em bengalas ou em cadeiras de...

    Leia Mais ( + )
  • TERAPIA COM ANIMAIS: O EXERCÍCIO DO AFETO E DO CUIDADO

      Idosas de uma casa de repouso participam da terapia assistida por cães. Melhoras na sociabilidade, na memória, na autoestima e na coordenação motora...

    Leia Mais ( + )
  • TERCEIRA IDADE CONHEÇA SEUS LIMITES

      O acompanhamento médico ajuda a identificar as restrições do idoso antes da escolha do exercício ideal. Vale buscar também outros profissionais, antes de...

    Leia Mais ( + )
  • PARTO NORMAL

    A redução das taxas de cesáreas foi discutida em Fortaleza durante congresso internacional. Tecnologia e conhecimento são caminhos apontados para evitar as cirurgias desnecessárias....

    Leia Mais ( + )
  • OS MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS

    As pílulas avançam com os anos e oferecem doses de hormônios menores para as mulheres. Para algumas, as pílulas continuam a ser parceiras para...

    Leia Mais ( + )
%d blogueiros gostam disto: